Disfunção Temporomandibular e Distúrbios do Sono

disfuncao-temporomandibular-disturbios-do-sono

A disfunção temporomandibular é um dos problemas que podem afetar de forma significativa a qualidade de vida de um indivíduo. A condição, também conhecida por DTM, pode ser definida como um distúrbio que envolve os músculos da mastigação, a articulação temporomandibular (ATM) e estruturas associadas. Sua etiologia é multifatorial e envolve diferentes aspectos, incluindo problemas musculares, problemas oclusais, anormalidades estruturais e posturais, problemas psicológicos, hábitos parafuncionais, processos degenerativos e lesões traumáticas.

Apesar dessa caracterização de sintomatologia variada, a dor é o sintoma mais comumente observado. Com a leitura deste artigo, compreenda melhor seus sintomas e formas de tratamento.

Disfunção Temporomandibular

Os sinais clínicos típicos de DTM consistem em dor musculoesquelética sem causa aparente e episódica orofacial e / ou sons da ATM (por exemplo, estalidos e crepitações) e / ou movimentos limitados da mandíbula. A DTM é a segunda condição de dor musculoesquelética mais prevalente após dor lombar crônica.

Como em outros distúrbios idiopáticos da dor (por exemplo, fibromialgia, síndrome do intestino irritável), os pacientes com DTM frequentemente apresentam sinais e sintomas sobrepostos, incluindo morbidade psicossocial, distúrbios neuroendócrinos e insônia crônica. O bruxismo do sono e / ou a apneia obstrutiva do sono são frequentemente identificados em pacientes com DTM quando realizados estudos do sono com polissonografia.

O Que é Uma Disfunção Temporomandibular?

A articulação temporomandibular é a área que faz a conexão da mandíbula com o crânio: esta área pode sofrer inúmeros tipos de prejuízos durante o desenvolvimento do organismo, bem como por consequência de diversos fatores externos que irão atuar sobre ela.

Uma disfunção temporomandibular é caracterizada por ser um problema que afeta o funcionamento correto das funções da mandíbula, prejudicando tanto os processos de mastigação, respiração e até mesmo fala, não sendo necessário que todos ocorram em todos os casos.

Há diversos tipos de disfunções temporomandibulares que podem ser analisados em sua ocorrência frequente na sociedade, principalmente em indivíduos adultos, que possuem uma carga de stress incrivelmente grande perante às pressões que o mundo moderno proporciona em suas vidas.

Uma disfunção temporomandibular que está entre as mais comuns, e que geralmente é tratada com menos seriedade do que deveria por seus próprios portadores, é o bruxismo.

Influência da DTM na Qualidade do Sono

Uma quantidade adequada de sono é essencial para um funcionamento saudável geral. Pacientes com dor crônica frequentemente relatam má qualidade do sono (QS), que pode incluir dificuldade de início ou manutenção do sono, bem como sono interrompido com despertares frequentes ou uma combinação desses problemas.

No entanto, a relação entre dor e sono não é unidirecional; o sono deficiente também influencia a percepção da dor. A relação bidirecional é particularmente importante quando os pacientes experimentam condições de dor crônica. Estudos relatam problemas do sono em 50-89% dos pacientes com algum tipo de dor crônica. Até 90% dos pacientes com desordem temporomandibular (DTM) comumente relatam pior QS.

Disfunção Temporomandibular, Dor Crônica e Distúrbios do Sono

Vários estudos demonstraram que, comparados aos controles, os pacientes com DTM exibem maior responsividade a uma variedade de estímulos dolorosos medidos tanto em locais anatômicos faciais quanto extracranianos. A sensibilidade à dor em locais “não afetados” (ou seja, que não a mandíbula) sugere o envolvimento de mecanismos centrais de processamento da dor, além das contribuições periféricas.

Isso sugere que os processos centrais associados à amplificação da dor podem ser críticos para o entendimento da fisiologia da DTM.

É possível que distúrbios do sono sejam fatores que podem contribuir diretamente para a sensibilização central e a amplificação da dor. Os sintomas de insônia no início do sono, por exemplo, predizem o desenvolvimento de dor crônica após queimadura grave.

Embora muitas vezes se assuma que a insônia ou a perda do sono ocorrem no contexto da dor crônica, secundariamente aos efeitos da dor durante o sono, as características compartilhadas entre as condições incluem altos níveis de ruminação cognitiva pré-sono e estratégias de enfrentamento desadaptativas que podem existir antes do desenvolvimento da dor e / ou contribuem independentemente para os sintomas de insônia.

Altas taxas de insônia primária e apneia do sono destacam a necessidade de encaminhar pacientes com DTM com queixa de distúrbio do sono para avaliação polissonográfica. A associação de insônia primária e hiperalgesia em um local não orofacial sugere que o pode estar ligada à sensibilidade central e desempenhar um papel etiológico nos distúrbios idiopáticos da dor. A associação entre distúrbios respiratórios do sono e hipoalgesia requer um estudo mais aprofundado e pode fornecer novas perspectivas sobre as complexas interações entre o sono e os processos regulatórios da dor.

Assim, o tratamento psicológico também é importante para que o paciente possa recuperar sua estabilidade emocional, já que, em sua maioria a disfunção temporomandibular tem suas causas em estresse e traumas.

Uma clínica do sono especializada irá proporcionar tratamentos muito mais eficazes, para auxiliar o paciente a entender melhor quais são as causas de sua disfunção temporomandibular e a melhor abordagem para resgatar sua saúde.

Artigo publicado em: 10/10/2017.

Artigo atualizado em: 28/05/2019.

Comente

Call Now Button