Disfonia Espasmódica – Diagnóstico e Tratamento

Disfonia Espasmódica – Diagnóstico e Tratamento
Avalie esta Matéria

A disfonia espasmódica, chamada também de distonia laríngea, trata-se de um distúrbio vocal raro provocado por espasmos ou movimentos involuntários de um ou mais músculos da laringe ou do aparelho vocal, que resultam na tensão das pregas vocais e no aumento da resistência glótica.

A disfonia do tipo espasmódica incide sobretudo em pessoas na terceira idade, e é mais frequente em mulheres, mas pode afetar qualquer pessoa. Ainda de origem desconhecida, a doença persiste como umas das mais difíceis de serem diagnosticadas e tratadas.

Os sintomas da disfonia espasmódica variam desde uma dificuldade ocasional do paciente em pronunciar uma ou outra palavra, até uma dificuldade forte o suficiente para prejudicar sua comunicação. A doença impacta negativamente a qualidade de vida do indivíduo, podendo levá-lo até mesmo ao isolamento social.

Disfonia

Disfonia Espasmódica – Classificações e Sintomas

A disfonia espasmódica divide-se em três tipos: D.E de adução, D.E de abdução e D.E mista. A classificação varia de acordo com a musculatura laríngea envolvida.

Os sintomas do distúrbio manifestam-se somente no momento da fala e podem aumentar ou reduzir, de acordo com o tipo de emissão. São eles: voz tensa-estrangulada; quebras de sonoridade instáveis; esforço fonatório excessivo; esforço para emitir a voz e cansaço vocal.

Disfonia Espasmódica – Diagnóstico

A disfonia espasmódica é uma doença rara e difícil de ser diagnosticada, e por isso o intervalo de tempo entre a manifestação dos sintomas e o diagnóstico geralmente é muito longo: os portadores deste distúrbio vocal levam, em média, mais de 4 anos para serem assertivamente diagnosticados.

O diagnóstico da disfonia espasmódica baseia-se na descrição da progressão dos sintomas e em uma avaliação detalhada do paciente.

O principal recurso diagnóstico da disfonia espasmódica é o exame laringoscópico; entretanto, este não evidencia alterações estruturais que caracterizam a doença. Por isso, muitos pacientes são diagnosticados equivocadamente como portadores de distúrbios conversivos ou psiquiátricos.

Avaliação Clínica

A avaliação dos pacientes com disfonia espasmódica é realizada por uma equipe médica que inclui um otorrinolaringologista (médico especializado em distúrbios do ouvido, nariz e garganta), um fonoaudiólogo (especialista habilitado para diagnosticar e tratar distúrbios de fala, linguagem e voz) e um neurologista (médico especializado em distúrbios do sistema nervoso).

O otorrinolaringologista é responsável por avaliar o movimento das pregas vocais, através de um procedimento denominado nasolaringoscopia por fibra óptica, que consiste na introdução de um pequeno tubo luminoso para examinar o nariz e a garganta do paciente.

Disfonia Espasmódica – Tratamento

Atualmente, não existe cura para a disfonia espasmódica, mas existem tratamentos disponíveis eficazes na minimização dos sintomas do distúrbio. A terapia vocal pode reduzir alguns sintomas, sobretudo em casos mais leves.

Aconselhamentos psicológicos e ocupacionais podem beneficiar os pacientes de disfonia espasmódica, ajudando-os a encarar a condição de maneira positiva e se adaptar a ela.

Aplicação da Toxina Botulínica

O tratamento atual mais promissor na redução dos sintomas é a aplicação de pequena quantidades da toxina botulínica (botox) nos músculos afetados da laringe. Estas injeções geralmente promovem uma melhora da voz por um período de 3 a 4 meses, e depois os sintomas retornam gradativamente.

Por isso, o ideal é que a aplicação da toxina botulínica seja feita novamente após este período, para manter a melhora da voz. Os efeitos colaterais do tratamento, que geralmente passam após alguns dias ou semanas, podem incluir fraqueza temporária, voz sussurrada e dificuldades ocasionais de deglutição.

Comente