Estenoses Laringotraqueais – Saiba Mais sobre o Estreitamento das Vias Aéreas

Estenoses Laringotraqueais – Saiba Mais sobre o Estreitamento das Vias Aéreas
Avalie esta Matéria

As estenoses laringotraqueais consistem no estreitamento da via aérea ao nível da laringe e da traqueia. Devido a diferentes tipos de distúrbios respiratório (falta de ar, estridor, sibilos, cianose), requerem medidas imediatas para diagnóstico e tratamento. Sendo que, muitas vezes, podem necessitar de intubação ou traqueostomia prévias.

O tratamento definitivo através de cirurgias reconstrutivas de laringe e traqueia constituem um desafio, já que são regiões delicadas, onde são necessárias técnicas assertivas para a abordagem cirúrgica.

Com a leitura deste artigo, conheça melhor as estenoses laringotraqueais, suas causas e formas de tratamento.

Estenoses Laringotraqueais

A redução do calibre das vias aéreas pode afetar a laringe e a traqueia de forma total ou parcial, tanto em crianças quanto em adultos.

Suas causas podem ser congênitas, devido à mutação em algum fator genético ou iatrogênicas: aquelas que são produzidas por algum fator externo.

Estenoses Laringotraqueais – Causas Iatrogênicas

Traqueostomia na CriançaA causa iatrogênica mais comum é a intubação prolongada em crianças ou adultos que permanecem em UTI por longos períodos. A seguir, temos trauma no pescoço e inalação ou ingestão de substâncias cáusticas. Temos também as causas infecciosas e tumorais.

Estenoses Laringotraqueais – Sintomas

A apresentação clínica da estenose laringotraqueal é variável, de acordo com a idade do paciente, extensão da estenose e condições associadas ao quadro.

Entre os sintomas mais comuns, estão: falta de ar, dispneia, dificuldade respiratória, ruído respiratório (estridor), cianose (má oxigenação sanguínea, identificada pela coloração azulada da pele), dificuldade na emissão de sons e disfagia ( quando a pessoa não consegue engolir direito), podendo evoluir para óbito.

Relação entre Estenose Laringotraqueal e Traqueostomia

A traqueostomia pode ser o salva vidas para casos graves de estenose laringotraqueal. No entanto, quando este procedimento permanece por muito tempo, pode gerar inflamação, infeccionar, acumular secreção ou mesmo levar ao desenvolvimento de uma estenose mais grave.

Quando a traqueostomia permanece por muito tempo, na maioria das vezes, torna-se uma condição de risco, pois de 1 a 3 % das crianças traqueostomizadas vão a óbito.

Existem vários cuidados que devem ser tomados para evitar essas complicações da traqueostomia. Abordaremos este assunto em um novo artigo.

Estenoses Laringotraqueais – Diagnóstico

Os procedimentos diagnósticos consistem em um estudo completo, que envolve exames de imagem e endoscopia, para selecionar a extensão e o grau de estenose, indicando assim o tratamento adequado.

Estes exames que podem ser complementados com testes de função respiratória e pesquisa da qualidade vocal, que não são essenciais para a avaliação pré-operatória, mas podem ajudar na comparação dos resultados no pós-operatório.

Estenoses Laringotraqueais – Tratamento

Os objetivos do tratamento da estenose laringotraqueal encontram-se no desenvolvimento de uma adequada via aérea, com preservação da qualidade vocal. Diferentes abordagens cirúrgicas podem ser utilizadas, como dilatações, cirurgias endoscópicas e cirurgias externas.

Contudo, a reconstrução laringotraqueal com cartilagem é considerada a primeira escolha para a maioria dos casos.

Nas cirurgias endoscópicas, utilizamos lasers, moldes que podem permanecer por tempo prolongado ou realizamos a dilatação com balão.

As cirurgias externas são realizadas naqueles casos que exigem reconstruções mais amplas, usando enxertos de cartilagem, ressecções parciais ou extensas da laringe e da traqueia. Essas cirurgias são complexas e realizadas por equipes especializadas.

Cirurgia Estenose Laringotraqueal

 

Cirurgia Reconstrutiva de Vias Aéreas

A equipe de Otorrinolaringologia do Hospital São Camilo Pompéia, chefiada pelo Dr José Antônio Pinto, é referência no diagnóstico e tratamento de doenças das vias aéreas superiores em crianças. Esta foi a primeira equipe aqui no Brasil a realizar a cirurgia reconstrutiva de estenose laringotraqueal.

Através de técnicas cirúrgicas endoscópicas e abertas, a equipe de otorrinolaringologia realiza cirurgias reconstrutivas da laringe e da traqueia em casos complexos. Geralmente, estes são resultado de traumas, sequelas de intubação prolongada e lesões congênitas que produzem estreitamento das vias respiratórias.

Nas palavras do Dr Monnier, referência mundial na cirurgia reconstrutiva de laringe, que já há mais de 5 anos participa de cursos no Hospital São Camilo Pompéia: ” A melhor escolha para o paciente é sempre a primeira operação”. Ou seja, o sucesso do tratamento sempre depende da primeira cirurgia bem feita.

Atualmente, as cirurgias de reconstrução laringotraqueal apresentam sucesso em 95% dos casos, permitindo a retirada da cânula (decanulação), para uma respiração normal.

Comente