Rinite Alérgica e Ronco – Compreenda a Relação

Rinite Alérgica e Ronco – Compreenda a Relação
Avalie esta Matéria

Rinite alérgica e ronco são duas condições extremamente relacionadas, embora muitas pessoas não tenham conhecimento da influência exercida entre elas.

Ao longo deste artigo, vamos buscar esclarecer como a rinite alérgica pode levar uma pessoa a roncar, e o que fazer quando isto acontece.

rinite-alergica-ronco

Rinite Alérgica e Ronco

O ronco está relacionado com a obstrução das vias aéreas. Este incômodo barulho durante o sono ocorre pois a obstrução nasal faz com que o ar inspirado tenha uma maior movimentação nas vias aéreas e no palato mole, levando a uma maior vibração da úvula.

É a vibração do ar nessas estruturas que provoca o som característico do ronco. Essa obstrução à passagem do ar pode ser ocasionada por diversas doenças respiratórias, sendo que a rinite alérgica é a mais frequente.

Características da Rinite Alérgica

As principais características da rinite alérgica são: espirros frequentes e consecutivos (chamados de espirros em salva), coriza abundante e clara, coceira na região nasal, podendo se estender para os olhos, ouvidos e garganta, além de congestão nasal (o famoso nariz entupido).

Mesmo que a rinite alérgica seja considerada por muitas pessoas uma condição simples e sem importância, esta patologia pode afligir consideravelmente a pessoa que a desenvolve.

Causas da Rinite Alérgica

Os sintomas da rinite alérgica resultam da inflamação crônica que ocorre na mucosa nasal, especialmente devido ao contato com alérgenos: agentes nem sempre nocivos, mas que podem desencadear reações do sistema imunológico daquela pessoa em específico.

Os pólipos nasais – pequenas bolsas de tecido inflamado que se desenvolvem nas mucosas nasais e nos seios paranasais – podem estar relacionados à rinite alérgica, favorecendo a obstrução das vias aéreas e o aparecimento do ronco.

Rinite Alérgica e Ronco – Consequências da Rinite Alérgica

Com o passar do tempo a inflamação crônica passa a afetar não apenas o nariz, mas também regiões próximas, como seios da face, olhos, ouvidos, garganta e pulmões.

E quando não tratada adequadamente, pode levar ao desenvolvimento de infecções repetidas, com graves acessos de tosse e intensa secreção nasal, podendo até mesmo provocar ou agravar crises de asma.

Relação entre Rinite Alérgica e Distúrbios do Sono

No contexto da qualidade do sono, o sintoma mais prejudicial é a obstrução nasal. Ela resulta da intensa congestão, piorando ao deitar, durante à noite e nas primeiras horas da manhã, que são momentos com temperatura mais baixa.

Quando a pessoa se deita, a congestão se intensifica, atingindo ambas as narinas. Isto impede uma respiração adequada, tornando necessária a respiração com a boca aberta. Esta respiração bucal pode prejudicar a qualidade do sono, também causando o ronco.

As principais alterações do sono, devido à má qualidade da respiração nasal provocada pela rinite alérgica, são: redução do período de sono, prejuízos ao sono profundo, microdespertares durante a noite, apneia obstrutiva ou hipopneia, que podem ser identificadas também por alterações do eletroencefalograma.

Este sono conturbado devido à obstrução nasal frequente causada pela rinite alérgica pode causar queda no desempenho psicomotor e nas funções cognitivas, interferindo no aprendizado escolar, e ocasionando faltas às aulas e ao trabalho.

Não deixe de procurar ajuda médica especializada para o tratamento da rinite alérgica, visto que esta condição pode se agravar, causando sérios prejuízos à sua qualidade de vida. O trabalho em conjunto do médico alergista e do médico otorrinolaringologista é fundamental para identificar as causas do problema, avaliar possíveis complicações e propor um tratamento efetivo.

Comente