Apneia Obstrutiva do Sono Infantil

apneia-do-sono-infantil

A apneia obstrutiva do sono infantil é uma condição mais comum entre as crianças do que é geralmente reconhecido. Estima-se que 1 a 4% das crianças sofram de apneia do sono, muitas delas entre 2 e 8 anos de idade.

Veja neste artigo mais informações sobre este problema, como identificá-lo em seu filho e como é realizado seu tratamento.

Apneia Obstrutiva do Sono Infantil

A apneia do sono ocorre quando uma pessoa para de respirar durante o sono. Isso geralmente acontece porque algo obstrui ou bloqueia as vias aéreas superiores. Esta condição pode fazer com que os níveis de oxigênio do corpo caiam e interrompam o sono.

Também pode fazer as crianças perderem um sono saudável e tranquilo. Na criança, a apneia obstrutiva do sono não tratada pode levar a problemas de aprendizado, comportamento, crescimento e problemas cardíacos.

Causas para a Apneia Obstrutiva do Sono Infantil

Quando dormimos, nossos músculos relaxam. Isso inclui os músculos na parte de trás da garganta que ajudam a manter as vias aéreas abertas. Na apneia obstrutiva do sono, esses músculos podem relaxar demais e dificultar a respiração.

Isto é especialmente verdadeiro se a criança tiver amígdalas ou adenóides aumentadas (glândulas responsáveis pelo combate a micro-organismos no fundo da cavidade nasal), que podem bloquear as vias aéreas durante o sono.

Outros fatores que podem tornar uma criança mais propensa a desenvolver apneia obstrutiva são:

  • uma história familiar de apneia obstrutiva do sono;
  • estar acima do peso;
  • condições médicas, como síndrome de Down ou paralisia cerebral;
  • problemas da boca, mandíbula ou garganta que estreitam as vias aéreas;
  • uma língua aumentada, que pode cair para trás e bloquear as vias aéreas durante o sono.

Sinais e Sintomas de Apneia Obstrutiva do Sono Infantil

Apresentar outros sinais de distúrbio do sono, como: longas pausas na respiração, sacudir-se e virar na cama excessivamente, respiração bucal crônica durante o sono, suores noturnos (devido ao aumento do esforço para respirar), e especialmente o ronco, são possíveis sinais de apneia do sono na criança.

Por ser difícil ter uma boa noite de sono, a criança pode ter dificuldade para acordar de manhã; estar cansada ou adormecer durante o dia; ter dificuldade para prestar atenção.

Como resultado, a apneia obstrutiva do sono pode prejudicar o desempenho escolar. Professores e outros podem pensar que uma criança tem TDAH ou problemas de aprendizado.

Tratamento da Apneia Obstrutiva do Sono Infantil

Para a criança, consideramos um índice de apneia superior a 1 ou um índice de apneia e hipopneia (IAH) de 1,5 como anormal e recomendamos o início do tratamento.

Quando Tratar

Um índice de apneia inclui apenas eventos com ausência de fluxo de ar e não inclui hipopneias ou eventos respiratórios com fluxo de ar reduzido. No caso de um IAH de 5 a 10, o quadro é considerado leve a moderado. Quando maior que 10 em uma criança de 12 anos ou menos, temos um quadro de apneia pediátrica moderada a grave.

Abordagens Cirúrgicas

A remoção cirúrgica das adenoides e amígdalas é o tratamento mais comum para apneia do sono pediátrica. Em casos não complicados, a operação resulta na eliminação completa dos sintomas em 70 a 90 por cento do tempo.

Embora geralmente seja um procedimento ambulatorial, algumas crianças com condições médicas crônicas como obesidade, apneia grave ou complicações da apneia devem ser cuidadosamente monitoradas durante a noite após a cirurgia, já que as anormalidades respiratórias podem não aparecer até que o sono REM comece.

Devido ao inchaço pós-operatório, a resolução completa dos sintomas de apneia pode levar de seis a oito semanas para ser observada.

Tratamento com CPAP

Se a adenotonsilectomia não for indicada ou se a cirurgia não resolver totalmente os sintomas, a terapia de pressão positiva nas vias aéreas, como a comumente prescrita para adultos, provavelmente será útil.

A terapia com CPAP também pode ser prescrita antes da cirurgia, apesar de ser considerado paliativo, em vez de curativo. Ajustes ótimos de pressão (suficientes para reduzir ou eliminar eventos obstrutivos sem aumentar os despertares ou apneias centrais) devem ser determinados em um estudo noturno do sono, e estudos de eficácia e re-titulações devem ser realizados regularmente: geralmente uma vez por ano ou quando há mudanças significativas de peso.

Como nos adultos, a adesão à terapia com CPAP é um fator chave na determinação do sucesso do tratamento. Adolescentes representam um desafio particular. Para muitas crianças, no entanto, a melhoria dramática na maneira como elas se sentem após o início da terapia se torna um importante fator motivador.

Outras Opções de Tratamento

Aparelhos intraorais para tratamento da apneia do sono pediátrica são úteis em alguns casos, especialmente em adolescentes cujo crescimento ósseo facial está amplamente completo. Um dispositivo que expande rapidamente o diâmetro transversal do palato duro durante um período de seis meses a um ano tem sido usado com sucesso em crianças a partir dos 6 anos de idade.

O controle do peso, incluindo elementos nutricionais, prática de exercício e terapias comportamentais, deve ser fortemente encorajado para todas as crianças com apneia do sono com sobrepeso ou obesidade.

Outros tratamentos são direcionados para fatores de risco adicionais em casos individuais; ou seja, tratamento da alergia para crianças que apresentam esta condição, tratamento para asma e para o refluxo gastroesofágico, quando estas são as causas para a apneia obstrutiva do sono infantil.

Porque Tratar a Apneia Obstrutiva do Sono Infantil

Embora exista a possibilidade de que as crianças afetadas “evoluam” de seus distúrbios do sono, a evidência é crescente de que os distúrbios pediátricos do sono não tratados, incluindo a apneia do sono, podem causar muitos danos enquanto persistem.

Estudos sugeriram que até 25% das crianças diagnosticadas com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade podem realmente ter sintomas de apneia obstrutiva do sono e que grande parte de sua dificuldade de aprendizagem e problemas de comportamento podem ser consequência do sono fragmentado.

Xixi na cama, sonambulismo, problemas de crescimento e distúrbios hormonais e metabólicos podem estar relacionados à apneia do sono. Alguns pesquisadores mapearam um impacto específico dos distúrbios respiratórios do sono nas “funções executivas” do cérebro: flexibilidade cognitiva, automonitoramento, planejamento e organização.

Comente

Call Now Button