Do Hospital Ibirapuera ao Núcleo de Otorrinolaringologia de São Paulo

Do Hospital Ibirapuera ao Núcleo de Otorrinolaringologia de São Paulo
5 (99.42%) 69 votos

O Núcleo de Otorrino tem muita história para contar. Já passamos por inúmeras transformações, aprendizados, construindo marcos importantes para a Otorrinolaringologia no Brasil. Neste artigo, vamos conhecer um pouco deste processo que, em São Paulo, incluiu a história do Hospital Ibirapuera, referência na especialidade de Otorrinolaringologia, durante todo o seu período de existência. Acompanhe.

otorrinolaringologia

Do Hospital Ibirapuera ao Núcleo de Otorrino

Nos anos 60, o Brasil passava por importantes transformações comportamentais, que se refletiam em toda a sociedade. Na área da Medicina, inúmeras faculdades foram criadas, assim como diversas especialidades foram sendo aperfeiçoadas. E este foi o caso da Otorrinolaringologia.

O Instituto de Otorrinolaringologia e Endoscopia Peroral

Otorrinolaringologia

Em meados de 1960, um grupo de otorrinos que trabalhavam juntos no Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo e no Hospital das Clínicas da USP, resolveram montar uma clínica comum a todos. Para tal, alugaram uma casa na rua Correia Dias, 73, no bairro do Paraíso, e fundaram o Instituto de Otorrinolaringologia e Endoscopia Peroral (IOEP).

Deste grupo inicial, constavam Moisés Cutim (chefe do Serviço de ORL do HSPE), Paulo Cunha Cintra, Luiz Pereira Barreto Sobrinho, Cid Pupo, Brás Nicodemos, Mauro Spinelli, Zenshi Hishiki, Domenico Modesto, Antonio Douglas Menon, Rhadamés Ribas Neto, Walter Freitas, Fabio Freire, Paulo Carvalho, Antonio Carlos Graça Wagner, Augusto Pastore Filho e José Antonio Pinto.

O IOEP atendia pacientes particulares e de alguns convênios, mantendo plantão de 24 horas na especialidade, uma grande novidade na época. Cirurgias também eram realizadas na clínica.

A Ampliação do IOEP

Em 1967, ocorreu a unificação dos institutos de previdência (antes representados por vários grupos, como dos bancários, dos comerciários, etc.), em um único: o INPS (Instituto Nacional de Previdência Social). Também foi criada a 2ª. Tarefa, medida que possibilitou aos médicos previdenciários serem remunerados por seus procedimentos cirúrgicos, estimulando assim a produtividade.

Já então bem estruturado, o IOEP foi credenciado para atendimento das emergências e cirurgias do INPS e, como oferecia cobertura com plantonistas 24 hs., muitos otorrinos passaram a fazer suas cirurgias no Instituto.

O grande movimento cirúrgico levou a alugarem casa vizinha para a ampliação das internações e das salas cirúrgicas. Em pouco tempo, já eram realizadas mais de 50 cirurgias por dia. Com este movimento crescente, o grupo partiu para a ideia de construir um hospital próprio especializado em ORL, adquirindo terreno na recém inaugurada Avenida Rubem Berta, próximo ao Hospital do Servidor e da AACD.

A Inauguração do Hospital Ibirapuera

Hospital Ibirapuera - Otorrinolaringologia

Com um projeto audacioso, em 4 de agosto de 1969, inaugurava-se o Hospital Ibirapuera S.A., com área física de mais de 1.400 m2 em sua parte térrea e com fundações em sua parte posterior para mais 10 andares com 400 m2 cada.

Em seu térreo, havia recepção, 5 consultórios, 1 consultório de fonoaudiologia, 5 apartamentos, 3 enfermarias, posto de enfermagem, centro cirúrgico com vestiário, 3 salas cirúrgicas grandes e 2 pequenas, sala de recuperação e área de pronto atendimento.

Apresentava também toda infraestrutura hospitalar, como lavanderia, cozinha e vestiários. Como o primeiro hospital especializado em São Paulo, o Hospital Ibirapuera tornou-se uma referência na Otorrinolaringologia paulista e brasileira, onde atuavam os seus proprietários e também grande número de otorrinos da cidade.

O Centro de Estudos do Hospital Ibirapuera

Em 1973, foi criado o Centro de Estudos do Hospital Ibirapuera, sendo seu primeiro presidente José Antonio Pinto, que organizou então a Residência Médica em Otorrinolaringologia, uma das primeiras no Brasil fora dos centros universitários.

Foram seus primeiros residentes Lauro João Lobo Alcantara, formado pela Universidade Federal do Paraná, Simone Pavie Simon, da Escola de Medicina e Saúde Pública da Bahia e Jarbas Barbosa, da Faculdade Medicina do Triângulo Mineiro de Uberaba.

A residência em Otorrinolaringologia do Hospital Ibirapuera tornou-se uma das mais concorridas do país e por ela já passaram mais de 150 médicos. Veja a lista atualizada dos nossos residentes em outubro de 2018:

  1. Adriana Meneghini –RS
  2. Adma Roberta Yoshida Zavanela – SP
  3. Aguilar Rodrigues Junior- SP
  4. Airton Gonçalves- SP
  5. Aldo Edel Cassol Stamm- SP
  6. Alexandre Felippu – SP
  7. Almir Francisco de Assis Rolla- BA
  8. Ana Carla Souza Marqui-SP
  9. André Freitas Cavallini da Silva – SP
  10. Andréia Felix Perazzio
  11. Andreia Natalia Azevedo Ferreira de Vasconcelos – SP
  12. Ângela Maria Pereira de Barros
  13. Antonio Abel Pauperio- SP
  14. Antonio Fernando Salaroli
  15. Beatriz Silveira Zalla – SP
  16. Arturo Frick Carpes- SP
  17. Áureo Fernandes Borges Junior- RN
  18. Carlos Antonio Rodrigues de Faria- SP
  19. Carlos Eduardo Cervantes dos Santos- SP
  20. Carlos Otavio Branco Graminho- SP
  21. Carlos Tadeu Rodrigues de Souza- BA
  22. Carolina de Farias Aires Leal
  23. Cassia Paloma da Cunha Onofre-SP
  24. Cauê Duarte -SP
  25. Cris Vanessa Gasgues
  26. Celso Gomes – SP
  27. Charif Abrão Elias- SP
  28. Charly Torregrossa- SP
  29. Davi Davi Knoll Ribeiro – SP
  30. David Grinstein Kramer- BOLÍVIA
  31. Delmer Jonas Polimeni Perfeiro- SC
  32. Denílson Storck Fomin- SP
  33. Denise Abritta- SP
  34. Deraldino Alves Campos- BA
  35. Domingos Lamonica Neto- SP
  36. Donaldson Antonio Breda- SP
  37. Edson Carlos Miranda Monteiro- SP
  38. Eduardo Amaro Bogaz- SP
  39. Eduardo Barbosa de Souza- BA
  40. Eduardo Nogueira Magri – SP
  41. Elcio Izumi Mizoguchi – SP
  42. Eloísa Pires do Prado- SP
  43. Fabiana
  44. Fabio Caracho Batista – SP
  45. Fabio Freire Junior- SP
  46. Fabíola Esteves Garcia Caldas – SP
  47. Maria de Fátima C. Albuquerque Milito – AL
  48. Fernando Arruda Ramos- SC
  49. Fernando César Cervantes dos Santos- SP
  50. Fernando Jose Sales Carneiro- SP
  51. Francisco José Coser- PR
  52. Gabriel David Hushi- SP
  53. Gabriel Santos de Freitas – SP
  54. Gabriella Spinola Jahic – SP
  55. Geraldo Rafael Muniz- SC
  56. Glaura Maria Pimentel Ferreira- SP
  57. Gustavo Duarte Paiva Ferreira- SP
  58. Gustavo Juliani Faller- RS
  59. Haroldo Fernandes Vilela- SC
  60. Heitor Sonda- PR
  61. Heloísa dos Santos Sobreira Nunes – SP
  62. Henrique César Fellipu Pinto- SP
  63. Henrique Wambier – PR
  64. Irajá Alves de Oliveira Junior- RS
  65. Janaina Guidotti Cunha
  66. Jarbas Barbosa
  67. Jeanne da Rosa Oiticica Ramalho- SP
  68. João Elmar de Oliveira
  69. João Fernandes Leal
  70. João Osvaldo dos Santos- MT
  71. José Carlos Maruoka- SP
  72. José Milton Moura Borges- PI
  73. Josemar dos Santos Soares – PB
  74. Jucicleide Bezerra Coimbra- SP
  75. Julio Marcos Pinheiro- MG
  76. Juvêncio Coelho Lustosa- BA
  77. Kelly Elia Abdo – SP
  78. Khalil Fouad Hanna- SP
  79. Laércio Freitas de Oliveira- BA
  80. Laila Puranen Mourão Martins – SP
  81. Larissa Souza Barreto – SE
  82. Lauro João Lobo Alcântara- PR
  83. Leonardo Marques Gomes – BA
  84. Letícia Weber Wächter – RS
  85. Levon Mikhitarian Neto- SP
  86. Lina Ana Medeiros Hirsch – SC
  87. Lis Tozzatti Fernandes- RS
  88. Lucia Helena da Costa Pinto- SP
  89. Luciana Balester Mello de Godoy- SP
  90. Luciana Lagatta Benatti-SP
  91. Luiz Alberto Gonçalves de Andrade- BA
  92. Luiz Antonio Baldivieso Schemy- MG
  93. Luiz Eduardo Wambier-PR
  94. Luiz Henrique Vaz- SC
  95. Luiz Marcio Hummel-SP
  96. Luiz Nobuo Miyamura- PR
  97. Mab Furlan- SP
  98. Marcus Alexandre Sodré- PB
  99. Maria Angélica Ayres Alencar- PR
  100. Maria José Costa Coser- RS
  101. Mariana Baptistella Mazzotti – SP
  102. Marina Spadari Ártico
  103. Mario Luiz Augusto da S. Freitas- SP
  104. Massao Yamada Sawamura – SP
  105. Mauro Knoll- SP
  106. Michele Villa Flor Brunoro-DF
  107. Milena Nathalia Shingu Funai
  108. Milton Pomponet da Cunha Moura- BA
  109. Modesta Ishii- SP
  110. Mônica de Oliveira Nóbrega- SP
  111. Milton Hiroshi Abe- SP
  112. Nilvano Alves Andrade- BA
  113. Obionor Alves de Nóbrega- PA
  114. Olavo Luiz Estefanato- RS
  115. Paola Barbieri Pasquali
  116. Paula Zimath
  117. Paulo de Tarso Moura Borges
  118. Pedro Luiz Coser- RS
  119. Pedro Paulo V. da Cunha Cintra- SP
  120. Rafael Moliterno Neto- SP
  121. Raul Antonio Ferreira- SP
  122. Regina Helena N. Gonçaves
  123. Reinaldo Luiz Salmaso- SP
  124. Renata Coutinho Ribeiro – SP
  125. Renato César Abssanra- SP
  126. Renato Euclides Carvalho de Velloso Vianna
  127. Renato José Corso- RS
  128. Ricardo Azevedo Sallum- SP
  129. Roberta Moss Rinke – SP
  130. Roberto Duarte Paiva Ferreira- SP
  131. Robson Vieira Santos- BA
  132. Rodrigo Kohler – SC
  133. Rodrigo Prestes do Reis – SP
  134. Rogério de Oliveira Barros- PR
  135. Rômulo Augusto Barros- SP
  136. Rose Mirian Souza Di Matteo- SP
  137. Rozania Soeli dos Santos- SP
  138. Rubens Huber da Silva-SP
  139. Ruy Carlos Carvalho de Souza Lobo- BA
  140. Salvador do Carmo Rodrigues- SP
  141. Saulo de Tarso Sgarbi- SP
  142. Sávio Nogueira da Silva Junior- SP
  143. Seliram Barros Fontenele Dias – MA
  144. Sergio Bittencourt- SP
  145. Sergio Lourentz Seballos- RS
  146. Silvana Bellotto- SP
  147. Silvia Helena Lanza
  148. Simone Pavie Simon- SP
  149. Sonia Rodrigues Pereira- BA
  150. Suhenia Ligia P. Lima- PB
  151. Teresa Monteiro Teixeira Cardoso -SP
  152. Thiago Branco Sônego – PR
  153. Ulisses José Ribeiro- SP
  154. Valeria Brandão Marquis
  155. Valtrudes Alves Pamplona – MG
  156. Washington Luiz Cerqueira de Almeida – BA

A Fundação do Núcleo de Otorrinolaringologia de São Paulo

Em final de 1985, o Hospital Ibirapuera encerrou suas atividades em Otorrinolaringologia, devido problemas societários, sendo vendido a uma empresa seguradora na área da saúde.

Durante 16 anos de intensa atividade, o Hospital Ibirapuera marcou uma era dentro da Otorrinolaringologia, em seu aspecto assistencial e no desenvolvimento da especialidade em nosso país.

Além de centro de excelência na formação de novos especialistas, fomentou o desenvolvimento das mais modernas técnicas em otorrinolaringologia, como a microcirurgia da laringe, a microcirurgia endonasal, a cirurgia da base do crânio, o uso dos raios laser em otorrinolaringologia e outras. A lacuna aberta com o seu encerramento jamais foi preenchida.

A Continuidade da Residência em Otorrinolaringologia

Com o encerramento do Hospital Ibirapuera, o Dr. José Antonio Pinto fundou o NÚCLEO DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO DE SÃO PAULO, juntamente com outros colegas, dando andamento ao programa de residência médica em Otorrinolaringologia, que funciona ininterruptamente até hoje.

Este programa continuou inicialmente no Hospital Nossa Senhora de Lourdes, posteriormente no Hospital Bandeirantes e na Clínica Infantil do Ipiranga. Desde 1993, o Núcleo de ORL funciona no Hospital São Camilo – Pompéia, localizado na Avenida Pompéia, 1137 e em sua sede, na Alameda dos Nhambiquaras, 159, Moema, São Paulo.

Mais de 70 novos otorrinolaringologistas foram formados nos 16 anos de existência do Hospital Ibirapuera, nomes de relevância dentro do cenário de nossa especialidade. No Núcleo de Otorrinolaringologia, Medicina do Sono e Cirurgia de Cabeça e Pescoço de São Paulo, continuamos com esta mesma missão, contribuindo com novos otorrinolaringologistas para nosso país.

Sob a direção do Dr. José Antonio Pinto, atendemos a todos os setores da Otorrinolaringologia, Medicina do Sono, Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Cirurgia Crânio-maxilo-facial, contando também com os seguintes médicos, chefes da Residência em Otorrinolaringologia:

– Dr. José Antonio Pinto

– Dr. Henrique Cesar Felippu Pinto

– Dr. Pedro Paulo Cintra

– Dr. Fernando Cesar Cervantes dos Santos

– Dra. Heloisa dos Santos Sobreira Nunes

– Dr. André Freitas Cavallini

– Dr. Eduardo Amaro Bogaz

– Dr. Arturo Frick Carpes

– Dr. Aguilar Rodrigues

– Dra. Simone Pavie Simon

Nossa participação em inúmeros congressos da Otorrinolaringologia, a publicação de nossos artigos em periódicos internacionais e o valor de aceitarmos o desafio de ser a primeira equipe no Brasil a realizar a cirurgia de reconstrução das vias aéreas, por estenose laringotraqueal na infância, nos mostra que estamos no caminho certo e cumprindo a nossa missão.

Artigo publicado em: 19/11/2017.

Artigo atualizado em:

Comente