Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Laringe

Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Laringe: Muitos fatores entram em tomada de decisão quando o assunto é o tratamento do câncer de laringe. Talvez mais do que qualquer outro tipo de câncer, os desejos do paciente são um elemento significativo em todas as decisões, devido à grande variedade de tratamentos disponíveis, as diferenças na maneira como cada tratamento afeta a voz, a deglutição e a qualidade de vida e as semelhanças nas taxas de cura entre os pacientes.

Neste artigo, continuamos o tema da semana passada, agora abordando o Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Laringe.

Avaliação e Tratamento do Câncer de Laringe

Isso requer uma biópsia tecidual adequada e interpretação histológica por um patologista. Geralmente, esses cânceres não são difíceis de diagnosticar, mas se a apresentação clínica é incomum (ou seja, câncer em uma pessoa mais jovem ou não fumante), a aparência não é típica ou o crescimento é muito lento ou muito rápido, uma segunda biópsia pode ser justificada.

Como a maioria das decisões de Tratamento é Baseada no Tamanho e na Extensão do Câncer, é necessária uma visualização direta precisa do câncer. Isso geralmente envolve o exame com um endoscópio no consultório do médico, que permite a determinação da mobilidade das pregas vocais e de outras características dinâmicas e também a laringoscopia direta com um microscópio sob anestesia.

O tamanho, a forma e a profundidade exatos da invasão podem ser melhor determinados e a pesquisa de áreas adjacentes de alterações pré-malignas ou malignas pode ser avaliada em outras áreas, como cavidade oral, faringe e esôfago. A laringe está conectada com a parte de trás da língua e as passagens inferiores de deglutição e, portanto, essas áreas também devem ser examinadas minuciosamente.

Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Laringe

Esse Tipo de Câncer geralmente é de crescimento lento e, portanto, se necessário, há tempo suficiente para delinear várias opções de tratamento.

Normalmente, uma “Equipe” de Oncologistas que inclui Cirurgiões de Cabeça e Pescoço, médicos Oncologistas e Especialistas em Radiação se reunirá para planejar conjuntamente um tratamento e fazer recomendações para o paciente considerar.

Estadiamento do Câncer de Laringe

O sistema de estadiamento mais frequentemente utilizado para o câncer de laringe é o sistema de American Joint Committee on Cancer (AJCC).

O AJCC estabeleceu diretrizes para o estadiamento do Câncer de Laringe que atribuem uma Descrição para o Tumor (T), os Gânglios linfáticos regionais ou Cervicais (N) e a Presença de Metástases à Distância (disseminação do câncer) (M).

estadiamento do Câncer de Laringe:

  • Descrição para o Tumor (T),
  • os Gânglios linfáticos regionais ou
    • Cervicais (N) e a
  • Presença de Metástases à Distância
    • Disseminação do Câncer (M)

Câncer de Laringe

O Câncer da Laringe é frequentemente agrupado em grupos de doenças precoces (estágio I), intermediários (estágio II) ou avançados (estágios III e IV). Os cânceres precoces são notavelmente curáveis ​​com sobrevida em cinco anos ou “taxas de cura” de 80-95% em comparação com estágios avançados que têm taxas de sobrevida em cinco anos de 25 a 50%.

Saúde Geral do Paciente

  • Idade
  • Função Imune
    • Condições Associadas
    • Perda de Peso
    • Doença Cardíaca
  • Hipertensão
  • Diabetes

Elementos importantes de prognóstico que não estão representados no sistema de estadiamento incluem a Saúde Geral do paciente, a idade, a função imune e condições associadas, como perda de peso, doença cardíaca, hipertensão ou diabetes.

Como esses cânceres geralmente ocorrem em pacientes na sexta ou sétima década de vida, até 15-20% morrem de outras causas além do próprio câncer.

Um Profissional Experiente com Experiência no Diagnóstico e estadiamento dos cânceres só pode fornecer esse conselho.

Alternativas de Tratamento para Doença Inicial

Câncer precoce da glote (cordas vocais) ou supraglote (cordas vocais falsas) pode ser efetivamente tratado com cirurgia isolada ou radioterapia.

A maioria dos procedimentos cirúrgicos pode poupar grandes porções da caixa de voz e com técnicas modernas, a reconstrução da caixa de voz pode ser realizada com preservação da qualidade de voz razoável e deglutição. Nos últimos anos, houve a introdução de ressecções a laser para muitos desses cânceres, evitando assim as incisões externas no pescoço.

Em geral, os cânceres que são superficiais ou limitados em extensão são melhor Tratados com a Remoção a Laser. Tumores semelhantes também são facilmente curados com 6-7 semanas de tratamento com radiação. Muitos médicos acham que a qualidade da voz pode ser melhor após a radiação em comparação com a cirurgia, mas os efeitos colaterais da boca seca permanente e os riscos de alguns problemas de deglutição a longo prazo estão associados à radiação.

Alternativas de Tratamento para Doença Intermediária

Para aqueles cânceres que são de tamanho intermediário, as decisões de tratamento são mais difíceis. Os cânceres profundamente invasivos são melhor tratados com excisão cirúrgica, frequentemente combinados com a remoção de linfonodos na região cervical. A maioria desses procedimentos pode preservar alguma função vocal sem traqueostomia permanente.

Ressecções cirúrgicas mais extensas estão associadas a problemas significativos de voz e deglutição. Assim, radioterapia ou combinações de quimioterapia e radioterapia podem ser recomendadas. Um avanço recente, pioneiro na Europa, inclui a laringectomia quase total, que alcançou excelentes resultados em pacientes jovens, adequadamente selecionados.

Os cânceres superficiais ou de menor volume podem ser tratados eficazmente apenas com radiação, mas as taxas de recorrência são maiores do que com a cirurgia.

Alternativas de Tratamento para Doença Avançada

O tratamento padrão para pacientes com câncer de laringe avançado consistiu historicamente em laringectomia total, frequentemente combinada com a remoção de linfonodos na região cervical. Quando o câncer metastático está presente nos gânglios linfáticos do pescoço, a cirurgia é combinada com a radioterapia. Taxas de cura de cinco anos variam de 40 a 60%.

As principais sequelas da laringectomia total incluem perda da voz natural e problemas associados à vida com um estoma traqueal permanente (orifício no pescoço).

Modernas técnicas de restauração da voz com punção traqueoesofágica (prótese de Blom-Singer) reduziram significativamente a perda de voz como resultado da laringectomia total, já que a maioria dos pacientes consegue falar com uma voz naturalmente impulsionada.

Muitos pacientes e médicos irão selecionar radiação primária para o Tratamento de Cânceres Laríngeos Avançados. Quando não há evidência clínica de metástase regional (pescoço), as taxas de cura são aceitáveis, embora o controle local do tumor não seja tão bom quanto com a cirurgia. Quando metástases clínicas ocorreram, as taxas de cura apenas com radiação não são boas e o tratamento ideal incorpora cirurgia seguida de radiação.

Avanços no Tratamento de Pacientes

Um dos avanços no tratamento de pacientes com Câncer de laringe avançado foi a introdução da quimioterapia como tratamento inicial. Vários ciclos de quimioterapia inicial combinados com radiação podem ser tão bem sucedidos quanto a laringectomia total na cura de pacientes com câncer avançado quando o tumor responde à quimioterapia inicial.

Para esses pacientes, a função laríngea, a voz, a deglutição e a qualidade de vida são preservadas. Esta abordagem foi agora estendida a pacientes com câncer de garganta (faringe) que normalmente também necessitariam de laringectomia total.

Infelizmente, os pacientes que não respondem à quimioterapia inicial devem ser submetidos à laringectomia total com os efeitos colaterais resultantes. Felizmente, as taxas de cura são as mesmas em ambos os grupos de pacientes tratados.

Há evidências de que a quimioterapia e a radiação combinadas podem ser um tratamento melhor do que a radiação sozinha. Essas abordagens combinadas aumentam substancialmente a toxicidade e tornam a cirurgia subsequente para recidivas de câncer menos provável.

A seleção do tratamento, portanto, depende de um equilíbrio entre os efeitos colaterais, a experiência do médico, o custo e o desejo do paciente. Atualmente, técnicas de preservação da laringe utilizando quimioterapia e radioterapia podem ser oferecidas como alternativas à laringectomia total se a equipe de tratamento tiver experiência com essas técnicas especiais.

Gostou do Artigo?

Classifique

Classificação média 5 / 5. Contagem de votos 14

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!

Call Now Button